quarta-feira, 25 de junho de 2014

Receita de Nishimê

Receita de Nishimê

Fonte da imagem: thekindlife.com
muito bom!!!

O nishimê é um cozido japonês que leva vegetais variados, feitos em um molho-base.
Exceto a preparação do molho, que deve seguir a quantidade de ingredientes proporcionalmente, o resto é tudo meio a olho.
O preparo é praticamente misturar tudo junto na panela e cozinhar, PORÉM, dependendo dos ingredientes, será necessária uma pré-preparada.
Não é necessário usar todas as verduras/ingredientes e a sua quantidade fica a gosto... se quiser fazer mais, vai precisar fazer mais do molho-base...
Alguns ingredientes que geralmente estão presentes no nishimê e que podem ser encontrados em lojas de produtos orientais são: daikon (aquele nabo branco, grande e comprido), aguê (tofu frito), konnyaku (tablete de massa de batata konjac, como o macarrão shirataki), tchikuwa (massa de peixe em forma de salsichão), kombu (alga laminaria/kelp), broto de bambu, raiz de lótus (lenkon/renkon), inhame, cenoura, bardana (gobo), cogumelos shitake, vagem, etc.
Como qualquer receita que vai caldo de peixe/shoyo, eu tenho a tendência de fazer uma "versão moderada", de gosto suave, não muito salgado e nem doce demais (como fazem no Japão)...
E aqui vai a receita da minha versão de nishimê, que pode ter variações sem problemas ;-)
PS: hondashi é um pó instantâneo japonês para fazer caldo de peixe.

Ingredientes

- 250g de konnyaku
- 1 palmo de kombu
- 1/2 salsicha de tchikuwa
- 2 cenouras médias
- 4 inhames
- 1 raiz de lótus
- 3 shitakes
- 1 xíc. de broto de bambu

Caldo-Base
 - 2 xíc. de caldo de peixe (água quente com HONDASHI dissolvido a gosto- eu usei ~ 2 colh. (sopa))
- 1 colh. (sopa) de açúcar
- 1/2 colh. (chá) de sal
- 1 e 1/2 colh. (sopa) de shoyo (molho de soja)
- 2 colh. (sopa) de sakê

Preparo

Em uma panela média-grande, misture todos os ingredientes do caldo-base e reserve.
Corte o konnyaku em tiras finas e cozinhe em uma panelinha por 10 minutos.
Escorra bem, cubra com água fria e deixe descansando até fazer o resto.
Descasque a raiz de lótus, corte em rodelas, cubra com água e cozinhe 20 minutos na panela de pressão.
Escorra bem e coloque a raiz de lótus na panela com o caldo.
Corte o kombu com uma tesoura, em tiras de ~1 dedo de largura e 10cm de comprimento.
Cubra o kombu por uns 2 minutos em um pouco de água até amolecer.
Faça um nó simples não forte com cada tira e coloque na panela de caldo.
Corte o tchikuwa e a cenoura descascada em rodelas na diagonal e ponha na panela de caldo.
Retire o cabo do shitake e corte o cogumelo em 4 partes.
Junte ao caldo.
A menos que use broto de bambu enlatado, ferva o bambu em uma panela com água e um punhado de sal por 5 minutos.
Escorra e repita o processo (isso vai tirar o amargo do bambu).
Feito isso, coloque o broto de bambu no caldo.
Descasque o inhame, corte em 4 partes e deixe 5 minutos de molho em água com suco de limão.
Aperte o inhame para sair a gosta branca, enxágue e coloque no caldo (isso vai tirar o gosmento dele).
Finalmente, faça um corte pequeno de comprido em cada tira de konnyaku e vire uma das pontas para dentro (vai parecer uma gravatinha/orelha/cueca virada), e junte ao caldo.
Cozinhe tudo em fogo médio-baixo, mexendo para o caldo entrar em todos os ingredientes, até que todos os vegetais estejam macios.
Se necessário, faça mais caldo-base para adicionar durante o cozimento.
Pronto!

Fonte da imagem: omchef.blogspot.com



quarta-feira, 18 de junho de 2014

Receita de Chá de Crisântemo ( 菊花茶)

Receita de Chá de Crisântemo ( 菊花茶)

Fonte da imagem: flickr.com
nossa!!!

As infusões com as flores do crisântemo são feitas a partir das espécies Chrysanthemum morifolium ou Chrysanthemum indicum, que são as espécies mais populares encontradas no leste asiático.

O chá de crisântemo é ótimo para quem sofra de "maus fígados" como irritabilidade, ira e raiva. Uma vez que estas emoções têm repercussões no sistema digestivo, como azia, náuseas, dilatação abdominal, eructações (mais conhecidas por arrotos) ou ainda uma digestão difícil e demorada, o chá de crisântemo ajuda também no alívio destes sintomas.

Se ao longo do seu dia facilmente cede a pequenas pressões, se considera que tem o pavio muito curto... um chazinho de crisântemo poderá ajudá-lo! \o/
Fonte da imagem: green-tea-shop.com

Chás e infusões feitas de flor crisântemo tem uma interessante mistura de doçura e amargura que acalmam nossa sede. Bebidas de crisântemo são consumidas em uma base regular durante todo o ano pelos chineses, mas ele é mais popular durante o verão, devido às suas propriedades desintoxicantes e de refrigeração.

A fitoterapia, uma das terapias da Medicina Tradicional Chinesa (MTC), trabalha com substâncias medicinais naturais (plantas, minerais ou animais)no combate à doença. 


Como com Ayurveda, a tradicional medicina indiana, medicina tradicional chinesa (MTC) nos diz que as propriedades gerais dos alimentos podem ser determinadas a partir de seu sabor ao paladar. Por exemplo, o sabor amargo geralmente indica que o alimento possui um efeito de “resfriamento” no corpo humano, enquanto alimento azedo é “aquecimento”.

A flor do crisântemo é ligeiramente amarga no gosto e por isso tem um efeito de resfriamento no corpo. A flor, quando consumida, pode ajudar a dissipar o vento preocupante (ou energia) e a dispersão excessiva, calor acumulado no corpo. Os chineses acreditam que o calor excessivo no corpo pode levar a problemas inflamatórios, tais como úlceras, acne, queda de cabelo, cefaléia tensional e maior pressão arterial.
Fonte da imagem: mame-en.tea-nifty.com
No compêndio Herbal Shen Nong, diz que o chá da flor crisântemo branco é benéfica para os olhos, pele e fígado. Então se seus olhos estão tensos por olhar por horas em dispositivos eletrônicos e sua pele é seca pela exposição ao clima, pode ser uma boa hora para ter algum chá de crisântemo. Músculos doloridos, inchaço, dor de garganta e febre podem ser aliviados por beber chá de crisântemo no início dos sintomas.
Por exemplo, existem plantas que reduzem ou anulam alguns dos efeitos secundários da quimioterapia, assim como há outras que podem substituir a tomada de medicamentos químicos que têm efeitos secundários e causam dependência.

Foi descoberto que o crisântemo pode fazer um pouco mais. Uma equipe de investigadores da Universidade Nacional de Singapura (NUS) descobriu que a flor de crisântemo, que contém luteolina, favorece a eliminação de células cancerosas em conjunto com a quimioterapia. Tem a vantagem de ser um produto natural sem efeitos secundários.


Receitas

Geralmente os chás são feitos a partir das flores secas de crisântemo ou de saquinhos, ambos encontrados em lojas de produtos asiáticos.
Eu usei esse aqui:
Fonte da imagem: starryasianmarket.co.uk

Pode se fazer a infusão direto na caneca onde vai se beber o chá ou em um bule.
Dependendo do crisântemo, o chá pode ficar mais ou menos amarelado, mais forte ou fraco.
A quantidade a ser usada para se fazer o chá vai depender se a pessoa prefere fazer o chá mais fraco, mais forte ou concentrado para ir adicioanado água na xícara.
Se achar que o chá ficou fraco, coloque mais flores em um pouco de água fervente, espere 1-2 minutos e adicione ao resto do chá.
Particularmente, acho que uma medida de 1 flor seca (~3cm) para uma caneca de 250ml de água fervente.

O chá pode ser quente, frio, gelado e com adições de mel, cristais de açúcar, goji berry, etc.

Receita 1 - Chá de Crisântemo Quente

Ingredientes

- 4-6 flores secas de crisântemo para chá (~1-2 colh. (sopa) de flores) (ou 1-2 saquinhos)
- 1 litro de água fervente
- mel, cristais de açúcar a gosto

Preparo

Passe água fervente dentro de um bule para temperá-lo (isso melhora o gosto de qualquer chá).
Coloque as flores secas de crisântemo no bule e despeje a água fervente por cima.
Misture com uma colher e adicione o mel ou cristal de açúcar se desejar (com o chá ainda quente).
Tampe o bule e deixe a infusão descansar por 5-7 minutos.
Misture novamente e está pronto para servir.

Fonte da imagem: lishiwuyu.com

Receita 2 - Chá de Crisântemo Gelado

Ingredientes

- 4-6 flores secas de crisântemo para chá (~1-2 colh. (sopa) de flores) (ou 1-2 saquinhos)
- 1 litro de água 
- mel, cristais de açúcar a gosto
- 1 forminha cheia de gelo

Preparo

Em uma caneca grande, coloque as todas flores secas e despeje 250ml de água fervente.
Misture, e adoce à vontade, lembrando que a quantidade de mel deve ser a equivalente para adoçar aproximadamente 1 litro de chá.
Cubra com um pires e deixe descansar por 5-7 minutos.
Coe o chá e adicione 2 cubos de gelo para não ficar tão quente.
Coloque a caneca no freezer por uns 10 minutos para esfriar.
Em um liquidificador, despeje o chá coado já morno e adicione 750ml de água fria ou gelada + o resto da forminha de gelo.
Bata até misturar bem, coloque em uma jarra e se desejar leve à geladeira.
Pronto!

Fonte da imagem: floraorganica.com.au

Receita 3 - Chá de Crisântemo com Goji Berry (Chá Ativador da Imunidade e Anti-Inflamatório)

Ingredientes

- 4-6 flores secas de crisântemo para chá (~1-2 colh. (sopa) de flores) (ou 1-2 saquinhos)
- 1 litro de água 
- 1 colh. (sopa) de goji berry (wolfberry)
- mel de manuka a gosto

Preparo

Em uma panela, ferva a água.
Assim que começar a ferver, deixe em fogo bem baixo e adicione as flores secas + goji berry.
Deixe ferver com a panela semi-tampada por 15 minutos.
Se ficar muito forte, adicione mais água e desligue assim que ferver.
Se ficar muito fraco, adicione mais flores e ferva mais 5 minutos.
Desligue o fogo e adoce com o mel de manuka a gosto.
Se desejar, pode coar, colocar dentro de um bule ou em uma jarra com gelo e esfriar na geladeira.
Pronto!

Fonte da imagem: aliexpress.com

PS: como qualquer outro chá, pode ser adicionado em fermentações secundárias de kefir de água e kombucha ;-)

sábado, 7 de junho de 2014

Receita de Toucinho do Céu de Murça

Receita de Toucinho do Céu de Murça

divino!!

O toucinho do céu é um doce tradicional português, de origem conventual. O nome deve-se ao fato de a receita original ter banha de porco nos ingredientes e, sendo um doce criado nos conventos, seria, portanto, o Toucinho do Céu. Esta deliciosa sobremesa é feita à base de açúcar em ponto de pérola, amêndoas e uma grande quantidade de gemas. É um doce muito apreciado por todo o país, havendo algumas variantes regionais da receita – as receitas mais célebres são as de Guimarães, Murça e Trás-os-Montes. 
Essa receita, em específico, integra o riquíssimo legado gastronômico deixado pelas freiras beneditinas, que estiveram instaladas num mosteiro, em Murça, até o final do século XIX. Acredita-se que elas teriam sido as criadoras da receita original deste doce, que mais tarde se popularizou por todo o Portugal. Dentre as inúmeras receitas de toucinho do céu, a de Murça é uma das mais tradicionais e apreciadas.

Glossário: Doce de chila (gila) - O doce de chila (ou doce de gila) é feito a partir de uma abóbora com o mesmo nome, que se caracteriza por ter a casca verde e branca, sendo o seu interior branco e com sementes pretas.
Em Portugal, o doce de chila (ou gila) é muito utilizado em inúmeras receitas conventuais e tradicionais, estando marcadamente presente na doçaria alentejana.
Em algumas regiões do Brasil, a abóbora-chila é conhecida como melancia de porco ou melancia forrageira, uma vez que além da confeção do doce, é usada na alimentação de suínos e bovinos

Ingredientes

- 125 g de amêndoas moídas bem fininhas
- 125 g de doce de chila
- 2 colh. (sopa) de farinha
- 20 gemas
- 500 g de açúcar
- 1 xíc. de água
- açúcar de confeiteiro p/ polvilhar

Preparo

Em uma panela, coloque o açúcar + água e deixe ferver até obter ponto de fio (a calda correr em fios, sem grande resistência ).
Junte o doce de chila e deixe ferver mais 2 a 3 minutos.
Adicione as amêndoas moídas, que devem estar bem enxutas, e leve novamente ao fogo para fazer um ponto de estrada muito fraco (deve ver-se o fundo da panela  muito rapidamente quando se passa a colher).
Retire o doce do fogo e deixe esfriar um pouco. 
Junte as gemas, que vão engrossar um pouco, sem que no entanto o doce ferva. 
Deixe esfriar ligeiramente.
Unte e polvilhe uma forma redonda.
Espalhe 1 colher da farinha sobre o fundo da forma e despeje nela o doce.
Polvilhe a superfície do doce com a outra colher de farinha e asse em forno bem quente (200 a 250º C).
O toucinho do céu estará cozido quando lhe introduzir uma faca e esta sair quente e limpa. 
Deixe esfriar um pouco e desenforme.
Sacuda o excesso de farinha e polvilhe o doce com açúcar de confeiteiro.
Pronto!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...